quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

MAR , MARÉ , MARESIA...

Dulce Claudino




Lua cheia no céu.
No mar, fluxos de serpentinas multicores
Adornam a orla espumante
Sobrepujando as ondas que beijam a areia
Num zumbido cantante.

Bem longe, acariciando o infinito
topo de uma embarcação toca de leve as teias douradas
E baila , valsando notas de um refrão
Sonorizado nas guitarras das ondas enluaradas.
Bem perto, o sonhador espelha-se
Na versão silenciosa de uma penetrante onda
Vasculha suas entranhas, encharcando-as   de transparentes bolhas suaves, gélidas
Molhando a alma na execução de sua ronda.

A escuridão domina no apagar das velas pelo sopro de uma negra nuvem
Afugenta-se o brilho das serpentinas multicores
Os pés do sonhador caminham sem rota, vagando sobre as ondas em ziguezague
As narinas aguçadas saboreiam os odores.

                        Mar , maré , maresia...
                        Um acalanto, que alimenta o sonho
                         Ao embalar a rede de quem dorme ao léu.

                                 Mar , maré , maresia...
                                 Doce seresta de quem vive em festa
                                  Por ter como berço o aconchego do enlace
                                  Entre MAR  e  CÉU.
                               


(Imagem: http://www.photos8.com/)

Um comentário:

docmarcio disse...

Dulce
Este poema esta muito lindo
Tem imagens muito fortes e melodiosas.
Um poema que consegue fazer a gente se sentir lá.
Marcio